Platão leu Moisés: influências da teologia mosaica na filosofia platônica, segundo Judá Abravanel (Leão Hebreu)

Instituição: Universidade Federal de Sergipe
Evento: V Semana Acadêmica 2018 / Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião
Local: UFS, Auditório de Filosofia, Campus São Cristóvão/SE
Data: 07/11/2018
Horário: 19h às 22h

IDENTIFICAÇÃO TEMÁTICA COM AS LINHAS DE PESQUISA

4.2.2 Interfaces entre filosofia e teologia

EMENTA

Segundo Novoa (2009a), os Diálogos de Amor são um sistema filosófico incomum que pretende “revelar os segredos primordiais do saber” (NOVOA, 2009a, p. 89). Se assim é, a obra do sefardita Judá Abravanel (Leão Hebreu) cumpre o propósito de ser uma interpretação mosaica da Cabala. Os textos de Moisés interpretados na teologia dos judeus ajudam a asseverar que Platão estava entre os cabalistas. A teoria das ideias, o mito do andrógino, Banquete e Timeu, são alguns dos temas ressignificados pelo cabalista Leão Hebreu. Como disse Sofia: “Folgo de ver que Platão bebeu da água da sagrada fonte” (ABRAVANEL, 2001, p.329).

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Introdução

I. Judá Abravanel (Leão Hebreu): o autor e a obra

II. A sabedoria teologal de Moisés

III. Moisés interpretado por Platão

III.1 A Torá no Banquete

III.2 A Torá no Timeu

Conclusão

METODOLOGIA E RECURSOS

Aula expositiva, ministrada pelo proponente do minicurso, utilizando projetor (data-show), com mediação de questionamentos, indicação de fontes de pesquisa e disponibilidade para consulta posterior ao curso.

REFERÊNCIAS

ABRAVANEL, Judá (Leão Hebreu). Diálogos de Amor. Apresentação de João Vila-Chã, S.J. Tradução de Giacinto Manuppella. Coleção Pensamento Português. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2001.

ARAUJO GOMES, Gilmar. Judaísmo e Literatura: A Teoria do Amor de Judá Abravanel (Leão Hebreu) nos Diálogos de Amor. São Cristóvão/SE: UFS, 2017. Dissertação de Mestrado em Ciências da Religião, apresentada ao PPGCIR/UFS.

ALVES, Luiz Roberto. Diálogos de Amor, Humanismo e Exílio em Jehuda Abravanel. São Paulo: Nova Alexandria/EDUSP, 1997

BEZERRA, C.C. Compreender Plotino e Proclo. Petrópolis/RJ: Vozes, 2006.

DE CARVALHO, Joaquim. Leão Hebreu, filósofo: Para a história do platonismo no Renascimento. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1918.

______. Capítulo I – Influência dos Diálogos de Amor. In: Leão Hebreu, Filósofo? (Para a História do Platonismo no Renascimento). 2013a?. Disponível em: <http://www.joaquimdecarvalho.org/artigos/artigo/30-Capitulo-I-Influencia-dos-Dialogos-de-Amor>. Acesso em: 27 jul. 2015.

______. Capítulo VI – Teoria do Amor. In: Leão Hebreu, Filósofo? (Para a História do Platonismo no Renascimento). 2013b?. Disponível em: <http://www.joaquimdecarvalho.org/artigos/artigo/28-Capitulo-VI-Teoria-do-Amor#sthash.TpMBL8iv.dpuf >. Acesso em: 27 jul. 2015.

ECHEVARRÍA, Alberto del Campo. La Teoría Platónica de las Ideas em Bizancio (ss.V-XI): Principios, desarrollos e inversión final de la ontología clásica. Madrid: Universidad Complutense de Madird, 2010. Memoria para optar al grado de doctor. Disponível em: <https://eprints.ucm.es/11028/1/T32168.pdf>. Acesso em: 28 out. 2018.

FICINO, Marsílio. O Livro do Amor. Tradução de Ana Thereza Basílio Vieira. Niterói/RJ: Clube de Literatura Cromos, 1996.

FILON DE ALEXANDRIA. Da Criação do Mundo e Outros Escritos. Tradução de Luiza Monteiro Dutra. Apresentação Carlos Nougué. São Paulo: Filocalia, 2015a. Coleção Grandes Comentadores.

______. Questões Sobre o Gênesis. Tradução de Luiza Monteiro Dutra. Apresentação Carlos Nougué. São Paulo: Filocalia, 2015b. Coleção Grandes Comentadores.

IDEL, Moshe. Cabala: uma introdução. In: Cabala, Cabalismo e Cabalistas. Coleção de Estudos Judaicos. Moshe Idel et ali (orgs.). Tradução: J. Ginsburg, Fany Kon, Nancy Rozencham, Eliana Lamger e Margarida Goldsztajn. São Paulo: Perspectiva / CIEUCJ da Universidade Hebraica de Jerusalém, p.17-47, 2015a.

______. As Interpretações Mágica e Neoplatônica da Cabala no Período Renascentista. In: Cabala, Cabalismo e Cabalistas. Coleção de Estudos Judaicos. Moshe Idel et ali (orgs.). Tradução: J. Ginsburg, Fany Kon, Nancy Rozencham, Eliana Lamger e Margarida Goldsztajn. São Paulo: Perspectiva / CIEUCJ da Universidade Hebraica de Jerusalém, p. 457-518, 2015b.

NOVOA, James W. Nelson. Isaac e Yehudah Abravanel e o Diálogo com o Cristianismo. Cadernos de Estudos Sefarditas, n. 9, p. 75-92, 2009a.

PLATÃO. O Banquete. Tradução, notas e comentários de Donaldo Schüler, Porto Alegre/RS: L&PM, 2014.

______. Timeu-Crítias. Tradução, introdução e notas de Rodolfo Lopes. Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos. Coimbra/Portugal: Universidade de Coimbra, 2011.

______. Diálogos V: O Banquete; Mênon (ou da virtude); Timeu; Crítias / Platão. Tradução, textos complementares e notas de Edson Bini. Bauru/SP: EDIPRO, 2010.

SILVA, Marcos; BISPO, Isis Carolina G. Os arcanos profundos do criptojudaísmo: o papel da cabala na resistência cultural dos sefarditas à perseguição inquisitorial. São Cristóvão: Editora UFS, 2015.

SIMMEL, George. A Sociologia do Segredo e das Sociedades Secretas. Tradução de Simone Carneiro Maldonado. Revista de Ciências Humanas, EDUFSC, Florianópolis, v. 43, n. 1, p. 219-242, Abril de 2009.

STRAUSS, Leo. Perseguição e a Arte de Escrever: e outros ensaios de filosofia política. São Paulo: É Realizações, 2015a.

______. On Abravanel’s Philosophical Tendency and Political Teaching, In: Isaac Abravanel: Six Lectures, ed. J. B. Trend and H. Leowe. London: Cambridge University Press, 2015b. Disponível em: <http://contemporarythinkers.org/leo-strauss/essay/on-abravanels-philosophical-tendency-and-political-teaching/>. Acesso em: 29 maio 2016.

TEIXEIRA, António Braz. A Filosofia Portuguesa no Tempo de Camões. Philosophica 14, Lisboa, p. 117-131, 1999.

VILA-CHÃ, João. Leão Hebreu e o Significado de sua Obra. In: ABRAVANEL, Judá (Leão Hebreu). Diálogos de Amor. Tradução de Giacinto Manuppella. Coleção Pensamento Português. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2001.

WOLFSON, Elliot R. A Hermenêutica da Experiência Visionária. In: Cabala, Cabalismo e Cabalistas. Coleção de Estudos Judaicos. Moshe Idel et ali (orgs.). Tradução: J. Ginsburg, Fany Kon, Nancy Rozencham, Eliana Lamger e Margarida Goldsztajn. São Paulo: Perspectiva / CIEUCJ da Universidade Hebraica de Jerusalém, p. 317-335, 2015.